quarta-feira, 11 de março de 2009

Voar... sempre



Este canto vai encerrar por tempo indeterminado pelas razões apontadas no outro canto.
Fica porém mais uma história de amor, não parecendo.
Esta dormitava desde 02-05-06 noutro lado.

PARA LHE VER O ROSTO

VOU TENTAR VOAR

DEPOIS VOLTO


Como prometido, voltei.

Não sendo voar tarefa de somenos, foi todavia o esforço compensado.

Cheguei ao topo em plena noite de luar.

Essa estranha força e a ligeira brisa, emprestavam brilho e beleza à moldura verde daquele rosto. Aqui e ali pérolas de orvalho.

Porque choras ? Perguntei.

Confidenciou-me ser a primeira vez a receber visita humana não hostil e tão próxima.

Havia visto outros, ao longe, montados em estranhas aves, lá onde não se enxerga o rosto.

Confidenciou também a dor da sua imobilidade, quebrada tão somente pelos fortes ventos.

E foi com sonho e tristeza que recordou os tempos em que, frondosa, abrigava os ninhos e as aves, seu deleite de então.

Confiou-me assim a sua solidão e o sonho de poder voar, justificando a forma estranha do seu corpo pelo esforço das vãs tentativas de o fazer.

Trocados os nossos pesares, aconchegámo-nos num doce e longo silencio.

Logo, logo, passada essa pequena eternidade, no afago da despedida, senti que se aproveitava do orvalho para disfarçar o pranto e já no solo deixei o meu abraço naquele tronco sofrido e rugoso, forte e sensível.

Prometi voltar para continuar a ligar a sua solidão à minha, quiçá ficar.

4 comentários:

Cris Animal disse...

Noyet...não demore a voltar.
Solidão precisa apenas de um tempo....rs
Prepare-se para o retorno.
Beijos meus
...............Cris Animal

Carmem disse...

Não vá!...mas se tiveres que ir...Volte!

Beijo

Baila sem peso disse...

Se o voo for doce e suave
se ver esse rosto, for sina alegre...
que uma brisa o leve...

mas que outra, o faça voltar
em breve!!

Um texto que gostei bastante!!!
Não sei dizer
talvez a nostalgia,
(no meio de pérolas de orvalho)
de querer voar um dia...
talvez por ser uma história de amor
talvez…

um beijinho sem tempo…

Parapeito disse...

Gostei da suavidade das palavras..e tambem do titulo...

Voar ...sempre...em busca de novos rumos..mas se possivel voltar sempre ao ninho :)