quinta-feira, 28 de maio de 2009

Intenções

Na busca da minha própria serenidade, assentei meus conceitos de amizade e amor e as suas respectivas gradações.
Continuo a distingui-los na essência; amizade, exige troca, e amor, quando bate verdadeiro, é pura dádiva, não carecendo sequer da reciproca.
São dois sentimentos extremamente semelhantes e motores de alguma confusão, ambos portadores da capacidade de se transformarem um no outro pelo faiscar de um qualquer impulso especial.
Se calhar já a muitos sucedeu a amizade profunda abrir a porta ao amor e também o profundo amor esbater-se em sedimento de amizade.
Depois existem algumas grandes emoções/sentimentos agregados.
Destaque à paixão, essa doença do amor, vírus de curta duração e se metaboliza na maior parte dos casos em ódio ou, mais curioso ainda, em absoluta indiferença.
O ciume também faz das suas, tanto num caso como noutro e acaba por mostrar a insegurança de quem o sofre, dissipando, embora lentamente, quer a amizade quer o amor.
Para complicar este fado existem seres a refutar a amizade, pelo receio dela venha a emanar uma parcela de amor, ou, mais grave ainda, pela parca dádiva disponível nas suas almas.
Seres de almas cativas, pobres e sobretudo inseguros.
Passam sequiosos e de copo na mão ao lado da fonte da vida, hesitando em beber e esquecendo que daquela água jamais poderão sorver, se a deixarem correr.
Não correm riscos, não podem colher.
Passam então a outra etapa com a sombra da culpa a acompanhar o restante percurso até ao grande portal de saída.
E sei do que escrevo porque já tentei estabelecer amizade sem êxito, reaprendendo o que já sabia: às melhores intenções correspondem, por vezes, as maiores decepções.

7 comentários:

Carmem disse...

Hoje tu falou de sentimentos importantes que fazem parte da nossa vida...24 horas por dia estamos mais perto de um ou do outro...sempre!
Amor...paixão...amizade...sentimento de culpa...ciúme...enfim...nossos companheiros inexplicáveis!

Beijos

Baila sem peso disse...

Enfim, nem sei que destacar:
sentimentos são interiores
e interiores têm seus humores...
um texto perfeito com uma flor
que faz da cor e do seu jeito
um par decerto, a invejar...
um enfeitar do momento
com a cor do sentimento...
uma intenção, com coração!!!!
"hesitando em beber e esquecendo que daquela água jamais poderão sorver, se a deixarem correr."
que mais dizer??!!!...

Um beijinho no carinho dessa afeição!

Paula Raposo disse...

Concordo em 100% contigo. Talvez a idade, a vivência nos deixe ver assim!
Contudo...para mim, q vida sem paixão não faz grande sentido!! Eh eh beijos.

Cris Animal disse...

Lindo texto!
Não há sentimento maior do que o amor, mais forte e com maior força!

Acho que a vida sem amor é apenas um filme que vemos passar na tela. Um quadro que admiramos.
A vida com amor nos transforma em protagonistas desse filme, nos faz artistas dessa tela, nos mantém vivos em vida. Aquece. Acalenta. Protege. Ensina.

Ahhhhhhhh...o amor!


beijo grande pra vc !

Maria Dias disse...

Te vi no blog da Cris e resolvi segui-lo(vc se importa?rs...).Gostei muito do q li,vc é um pensador e gosto de pessoas assim(profundas)posso acompasnhar seus pensamentos?rs...

Te aguardo pra saber se nao se incomoda com minha visita assim sem ser convidada.

Prazer

Maria Dias

Maria Dias disse...

Ah!tb gostei no nome do seu blog e percebi q gosta das flores...Eu tenho dois blogs um é este acima q fala do meu Avesso(em tudo q me toca, sinto e vejo)e este aqui q tem o nome parecido com o seu(Bem me quer bem me quer)este ultimo faz parte de um projeto de vida para um futuro proximo(estou ainda aprendendo um novo caminho),entao te convido a conhecer ele tb.

Parapeito disse...

assunto muito complexo :)
Eu nao vivo sem o amor dos meus amigos...nem sem a amizade dos meus amores :))
O dálmata cá continua :)
Um domingo cheio de belos sentires...e cheio de brisas mansas***