sábado, 6 de março de 2010

O peso da palavra

Fui à rua, levando um saco de palavras na peregrina ideia de as espalhar por aí e, talvez cansaço meu, pouco usual nestas andanças, notei pesado o saco e derreado o braço.
No jardim, em velho banco e à sombra amiga  da árvore,  tentei saber da causa de tal fadiga.
Entre as leves palavras de candura, ternura e com nome de flores, encontrei algumas pintadas de horrores, muito pralém da amargura, por ter ensacado a eito, sem critério na escolha ou algum jeito.
Aproveitei o remanso do momento de descanso, e, neste meu modo de louco, meditei um pouco.
Afinal as palavras tem peso, tal como as pedras, e, tal como elas, podem ser usadas das maneiras mais diversas, de formas ousadas, fagueiras ou perversas, sendo a mais gravosa o arremesso, pois uma vez atiradas ou proferidas não é possível emendar a mão, mesmo estejam prenhes de razão as desculpas emitidas.
Subsiste porém diferença.
A pedra, quando acerta na cabeça, resolve de vez o problema e, na palavra, surge o dilema: o visado pouco se rala e nisso nem fala, ou, ao invés, sente a pancada e aquilo funciona como trovoada, indutora de tensões e, em muitos casos, provocando depressões.
Bem, resolvido o mistério tenho de ir e sem favor, com critério, vou deixar aqui palavras de flor e, neste regresso, para evitar fique gente do avesso, vou espalhar todas as demais e sejam de cor, e até um raminho das que falam de ternura ou carinho, e, logo que recolha ao meu canto, vou destruir as que nada dizem e todas as que falem de amargura ou desencanto.

Fico grato por este aviso a creditar-me um pouco de juízo.





E sendo tudo isto de amor fica aqui bem esta flor.

5 comentários:

TERE disse...

E bem bonita.

tulipa disse...

Gostei muito do tema do post, pois são as tais palavras atiradas de arremesso que me enviaram para a Psiquiatra ontem e estou entregue às drogas...ando muito em baixo.

Trago-te uma notícia que é uma excelente oportunidade para fazer belas fotos.

No dia 7 de Março, às 14h30, a Divisão de Educação e Sensibilização Ambiental da Câmara Municipal de Lisboa organiza um passeio ribeiro por Lisboa. O percurso de cerca de cinco quilómetros "destaca a importância da situação geográfica da cidade de Lisboa e a sua relação com o rio Tejo, desde a antiguidade até aos nossos dias", descrevem os organizadores.
"Durante o percurso, é possível a título facultativo, assistir ao filme “Lisbon Experience” e visitar o miradouro do Padrão dos Descobrimentos, opção que implica o pagamento de 2€ no local".
Ponto de encontro: Módulo LxAmbiente, no Jardim Vasco da Gama, em Belém.
A actividade realiza-se com um mínimo de cinco participantes e tem uma duração de três horas. Aconselha-se roupa e calçado confortável.
Contactos:
Telef: 21.817.02.04
Email: desa@cm-lisboa.pt

Bom fim de semana.

Baila sem peso disse...

Hoje ainda que o texto seja perfeito
vou apenas concentrar-me na flor...
um toque de pureza, sem nenhum peso
que levemente, afaga tristeza e dor!

Bela prosa poética descrita com amor!

Boa semaninha
meu beijnho

Silvana Nunes .'. disse...

Belo texto.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja uma boa semana para você.
Saudações Florestais !

Parapeito disse...

..que fiqeum aquelas palavras que nos beijam :)
Gostei de ler****